09 abril, 2012

Canteiro.



Dizem que amor é uma loucura. Leva a ela: à ela.
Ontem vi com com meus próprios olhos a passagem metafórica se tornando realidade e quase que não virou coisa pior. Agora me pergunto: em que ponto o gostar se transforma em obsessão, em que grau ela vira perseguição a ponto de tentar contra a vida alheia?
O amor ficou em qual curva do caminho? em qual descida dessa estrada que a própria pessoa abandona a si mesma, aliás, se serve numa bandeja para outra?
Uma força aniquiladora compatível com a pulsão de morte. Ver o desejo absoluto de "aniquilar" qualquer tipo de ameaça perante ao "objeto" de desejo.
Eaí, nesses momentos é que dá pra ver no que nos tornamos. Mas peraí: dizem que o amor não faz a gente sofrer, chorar. De fato, o amor não machuca, quando parte de ambas as partes e cedem na mesma medida. Porque há de saber como amar. Envolve não só o gostar, do tesão em si; passa pela verdade, tem como um terreno sólido a sinceridade e o respeito [a si mesma e a outra] como alicerce, paciência, perdão, compreensão, resignação, fé... parece ser construção.

E é.
Por isso que muitos desmoronam, alguns resistem ao tempo, outros sofrem sérios abalos... vai depender do empenho dos construtores sobre o que fazer: reformar, demolir, reparar, construir, manter. As vezes a moradia é linda, suntuosa. Porém, condenada por que os pilares não são seguros, e aí você decide se arrisca viver perigosamente ou derruba tudo e recomeça do zero. Noutras vão ter um telhado regaçado, a infiltração fez meleca pra tudo quanto é lado... mas se trocar o forro, as vigas, colocar telhas novas, abrir o buraco na parede, impermeabilizá-la, rebocar, passar o esmalte e lixar, tá tranquilo.
Tudo depende das mãos: são nelas que vão estar o prego pra martelar no caibro novo ou a marreta que vai levar tudo ao chão.


Há de se saber.

2 comentários:

Alessandra Chaves da Silva disse...

É tudo depende das mãos... e fica tudo mais fácil quando ao invés de você estar nas mãos dessa pessoa, você está de mãos dadas com ela...

_xk_ disse...

e isso faz toda a diferença.